LP Chico Buarque - Calabar

Clique no botão ao lado para assistir o video relacionado ao produto.

Assistir Video

LP Chico Buarque - Calabar

Código: 6XNXNQUQ5
R$ 170,00
COMPRAR Disponibilidade: Imediata Aproveite! Restam apenas 3 unidades
    • 1x de R$ 170,00 sem juros
    • 2x de R$ 89,60
    • 3x de R$ 60,51
    • 4x de R$ 46,01
    • 5x de R$ 37,28
    • 6x de R$ 31,46
    • 7x de R$ 27,26
    • 8x de R$ 24,19
    • 9x de R$ 21,81
    • 10x de R$ 19,82
    • 11x de R$ 18,27
    • 12x de R$ 16,97
  • R$ 170,00 PagSeguro
  • R$ 170,00 PIX
  • R$ 170,00 Boleto Bancário
  • R$ 170,00 Entrega
* Este prazo de entrega está considerando a disponibilidade do produto + prazo de entrega.

Em 1973, Chico Buarque viu sua segunda peça teatral, ‘Calabar, o elogio da traição’, ser cancelada às vésperas da estreia. 

Escrita a quatro mãos com o cineasta Ruy Guerra, a obra relativizava a opção do mulato Domingos Fernandes Calabar, que lutou ao lado dos invasores holandeses contra a coroa portuguesa, entrando para a história oficial brasileira como um traidor. O general Antônio Bandeira, diretor-geral da Polícia Federal na época, proibiu a montagem, interditou o nome Calabar e até mesmo desautorizou a divulgação da censura. Obviamente, o LP com a trilha sonora da peça não escapou do veto autoritário. Sua liberação ocorreu ainda em 1973, mas apenas após mudanças radicais na capa, originalmente dupla, que estampava a foto de um muro pichado com o nome Calabar e passou a ser branca.

O título ‘Chico canta Calabar’ também foi trocado para ‘Chico canta’, pois as iniciais CCC lembravam o Comando de Caça aos Comunistas. O disco também sofreu alterações – apenas as versões instrumentais de ‘Vence na vida quem diz sim’ e ‘Ana de Amsterdam’ foram liberadas. Personagem que chega ao Brasil em busca de melhores dias, a holandesa Anna ainda escandalizou os censores uma vez mais, ao explicitar seu amor homossexual por Bárbara, cuja canção ‘Bárbara’ teve o verso “no poço escuro de nós duas” subtraído da gravação.

Coautor das composições, Ruy Guerra viu a palavra ‘sífilis’ (uma das “heranças lusitanas”) ser suprimida dos versos declamados por ele em ‘Fado tropical’. Posterior sucesso de Ney Matogrosso, a marcha ‘Não existe pecado ao sul do Equador’ teve os originais “vamos fazer um pecado safado debaixo do meu cobertor” trocados para “vamos fazer um pecado rasgado, suado, a todo vapor”. De volta com sua capa original, ‘Chico canta Calabar’ representa o auge da perseguição sofrida pelo artista durante a ditadura. Como reação, seu disco seguinte, ‘Sinal fechado’, traria apenas composições de outros, ainda que entre Paulinho da Viola e Noel Rosa, aparecesse um certo Julinho da Adelaide. Mas isso já é outra estória...

"Calabar” (Chico Buarque, 1973) – A trilha sonora da peça homônima escrita por Chico Buarque e pelo cineasta Ruy Guerra, lançada em 1973, retirada do mercado pela censura e relançada no mesmo ano com o título de “Chico Canta”, está de volta com sua capa e título originais.

1 – Prólogo (O elogio da traição)

2 – Cala a boca, Bárbara

3 – Tatuagem

4 – Ana de Amsterdam

5 – Bárbara

6 – Não existe pecado ao sul do Equador/ Boi voador não pode

7 – Fado tropical

8 – Tira as mãos de mim

9 – Cobra de vidro

10 – Vence na vida quem diz sim

11 – Fortaleza

R$ 170,00
COMPRAR Disponibilidade: Imediata Aproveite! Restam apenas 3 unidades
Sobre a loja

Discos de vinil, LPs e compactos - Envio diário ou retirada em mãos S.P. Capital Diversas formas de pagamento à vista ou parcelado

Pague com
  • Mercado Pago
  • PagSeguro V2
Selos

Leandro Carvalho - CPF: 105.863.407-00 © Todos os direitos reservados. 2021